Festival do Camarão chega à 4ª edição com gastronomia típica e programação voltada à família

A cada novo nascer do sol, uma esperança avistada no mar. Para quem é pescador, os anos dedicados à captura do camarão são bem mais do que experiência profissional. São alento, sobrevivência, sustento familiar. Em Porto Belo, Litoral Norte de Santa Catarina, aproximadamente 350 famílias vivem da pesca artesanal, neste ano, juntas, já pescaram aproximadamente 52 toneladas de camarão. Iguaria que projeta renda e reforça a tradição local do município litorâneo que leva à mesa diferentes receitas. Tamanha relação fez com que o município criasse o Festival do Camarão que chega a sua 4ª edição durante os festejos do aniversário de 185 anos da cidade. O evento promete levar a gastronomia típica para a Praça da Bandeira com vários pratos à base do fruto do mar, em combinações que enobrecem ainda mais o sabor.

Entre as novidades deste ano, um risoto de camarão que será produzido em uma panela especial com capacidade para 2,4 mil litros. Tudo será servido gratuitamente para cerca de 3,5 mil pessoas que visitarem a festa no domingo (15/10). A programação inicia já na sexta-feira (13/10), 19h, com abertura oficial e show nacional de Jeann & Julio. Durante os três dias, seis espaços gastronômicos oferecerão o melhor da culinária com o camarão como base principal das receitas. Ao longo dos dias, muita música, atrações culturais como coral e apresentação de dança e uma feira de artesanato que mostrará aos visitantes o talento manual dos artesãos locais. Haverá ainda Espaço Kids com brincadeiras lúdicas. “A programação foi pensada com foco na família, nas pessoas que amam esta iguaria do mar e que consideram como algo importante esta manutenção da tradição”, comenta a presidente da Fundação Municipal de Turismo, Zene Drodowski.

A festa marca o esquenta para a temporada de Verão e reflete diretamente na economia do município, com movimentação no comércio e na hotelaria. Os organizadores acreditam que 30 mil pessoas circulem pelos três dias do Festival do Camarão.

A história da pesca chega aos 200 anos

A ligação de Porto Belo com o camarão vem desde a colonização. Chamada de Enseada das Garoupas, a região vinha recebendo portugueses e açorianos desde o descobrimento do Brasil. Embora avaliassem ser uma terra infrutífera para a agricultura, destacavam sempre a segurança da enseada, com águas tranquilas e navegáveis. Nos anos 1750, enfim foram enviados 60 casais açorianos para iniciar um novo povoado. Levou tempo para que houvesse um crescimento que viabilizasse a manutenção do grupo neste trecho do Litoral brasileiro.

Em 1818, com a vinda de mais cem pessoas da região açoriana de Ericeira, instalou-se aqui a colônia de Nova Ericeira, com o principal objetivo de repetir a atuação de além-mar, e iniciar a atividade pesqueira na região. O nome logo foi substituído por Vila de São Bom Jesus dos Aflitos de Porto Belo, que em 1932, sob decreto imperial, virou município (Porto Belo), desmembrado de São Francisco.

São praticamente 200 anos de dedicação ao mar, grande parceiro profissional e aliado da economia local. Nestes dois séculos, foi testemunha e protagonista de histórias de vida, de superação, de identidade histórica com este belo trecho do Litoral catarinense.

Saiba mais sobre a pesca do camarão em Porto Belo

Bairros mais comuns: Araçá, Centro e Santa Luzia

Colônia de Pescadores: Z8, formada por 4 mil pescadores, sendo 800 ativos e com uma presidente mulher: Asta Jandt dos Santos

Serviço
O quê: 4º Festival do Camarão de Porto Belo
Quando: de 13 a 15 de outubro
Horário: sexta (13/10) das 19h à 1h; sábado (14/10) das 11h à 1h; domingo (15/10) das 11h às 22h.
Ingressos: entrada gratuita
Local: Praça da Bandeira, Centro, Porto Belo

Docinhos que não precisam cozinhar

Se você é daqueles que adoram um docinho, mas nunca sabe o ponto certo para dar liga, o Senhor Sabor te ajuda. Listamos três receitas deliciosas de docinhos que não precisam ir ao fogo. Anota aí:

Docinho de Leite em Pó

Ingredientes:
1 xícara de leite em pó
½ lata (ou caixinha) de leite condensado
Açúcar de confeiteiro
Açúcar

Modo de preparo:
Misture o leite em pó com o leite condensado. Vá adicionando açúcar de confeiteiro até dar ponto, que é quando fica parecendo uma massinha de modelar. Molde as bolinhas e passe no açúcar refinado para dar acabamento. Se fizer uns dias antes de servir, guarde em potes ou caixas com tampa, pois eles ressecam com o tempo e devem ser consumidos em no máximo sete dias.

Docinho de Banana

Ingredientes:
2 bananas nanicas maduras
2 xícaras de farinha de biscoito maizena
¼ xícara de açúcar
¼ xícara de água
1 colher de canela em pó

Modo de preparo:
Amasse a banana até que não fique nenhum pedaço. Adicione uma xícara da farinha do biscoito maisena e amasse até encorpar. Junte o restante da farinha. Mexa até desgrudar das mãos. Molhe as bolinhas na água e passe no açúcar misturado com a canela. Deixe duas horas na geladeira antes de servir.

Docinho de amendoim com chocolate

Ingredientes:
150g de amendoim torrado
80g de açúcar
3 colheres de chocolate em pó
150g de biscoito champanhe esfarelado
½ xícara de leite
Essência de baunilha

Modo de preparo:
Triture o amendoim até obter uma farofa. Junte com o açúcar, o chocolate e o biscoito. Misture o leite com a essência e acrescente aos poucos com os outros ingredientes até a massa dar liga e soltar das mãos.

Os benefícios da Ora-pro-nobis

Você conhece ela. Seja como cerca viva, enfeitando algum vaso ou, até, em um prato de comida. Sim, a Ora-pro-nobis é cada vez mais comum nas refeições brasileiras. Desde que suas propriedades foram divulgadas e os seus benefícios comprovados, a planta virou um sucesso na gastronomia, principalmente para aqueles que investem em uma alimentação saudável e nutritiva.

A parte comestível da Ora-pro-nobis são as folhas e elas podem ser degustadas secas, moídas ou in natura, em saladas. Quando secas ou moídas, são excelentes na composição de sopas, omeletes, tortas e refogados. É rica em vitaminas A, B, C, fibras, ferro e fósforo. Também auxilia no bom funcionamento intestinal e aumenta a imunidade. Seu valor nutricional é tão alto, que atribui-se a ela 25% de proteína.

Muito comum na região Sudeste, a Ora-pro-nobis pode ser cultivada em qualquer tipo de solo e clima. Então, bora arrumar uma muda e incrementar nossas refeições?

Um lugar para quem ama café, comida boa e atendimento aconchegante

O Amantes do Café é um estabelecimento localizado no Centro de Blumenau que agrega quase cinco estrelas nas avaliações do Facebook, é praticamente unanimidade os elogios para o lugar. E não é por menos, com o objetivo de fazer com que o cliente se sinta bem, o local é todo planejado com uma decoração confortável, no estilo “vintage”, agradando tanto quem só quer passar para tomar um café quanto quem quer passar à tarde realizando algum trabalho ou reunião. É legal ressaltar que eles disponibilizam Wi-Fi para quem consumir produtos da loja.

Se você não gosta de café, não considere esse um motivo para não visitar o local. Eles contam com um amplo cardápio que oferece chás, chocolates, sucos e também vinhos e cervejas para quem tiver interesse em um happy hour. E não para por aí, a variedade de alimentos também são para agradar todos os gostos, contendo lanches como sanduíches, tapiocas, hambúrgueres, ovos mexidos, petiscos, doces e até pratos quentes.

A cafeteria fica localizada na Rua Dr. Amadeu da Luz, 19, Centro, Blumenau. O atendimento vai de segunda a sábado, das 9h às 21h.

Onde encontrar:

Site: www.amantescafe.com
Facebook: www.facebook.com/amantescafecoffeeshop
Instagram: www.instagram.com/amantesdocafe

167 anos de gastronomia

Nesse sábado (2/9), Blumenau celebra 167 anos. Vai ser grande a comemoração, com o tradicional desfile e, ainda, show da Camerata Florianópolis, além de eventos que já vêm acontecendo, como o festival de cucas. No ano passado, o Senhor Sabor já trouxe para vocês algumas receitas típicas da cidade e, como não queremos ficar de fora da festa deste ano, trouxemos mais cinco pratos. Que tal comemorar com a gente e escolher um deles para servir nesse dia tão especial?

Foto: portuguesbrasileiro.istockphoto.com

Apfelstrudel

Com a massa folhada e recheio de maçã, o Apfelstrudel é uma sobremesa tradicionalmente germânica que se popularizou em Blumenau. Essa sobremesa leva uma torta à base de massa folhada recheada com maçãs fatiadas, canela, passas e migalhas de pão. Pode ser servida fria ou quente e acompanhada de chantilly ou uma bola de sorvete de creme.

Foto: Chef Heiko Grabolle / Divulgação

Marreco Recheado

O Marreco Recheado, também chamado de Gefüllte, é outro prato herdado da cultura alemã. Sucesso na Oktoberfest, de forte sabor, o peito e a coxa da ave são servidos assados com recheio de miúdos e acompanhados de repolho roxo, salada de batata e purê de maçã.

Foto: portuguesbrasileiro.istockphoto.com

Hackepeter

Também conhecido como Mett, o Hackepeter é tão gostoso e popular na cidade que até já passamos sua receita aqui. Mas vale lembrar que sua base é carne crua muito bem temperada e geralmente servida com pão preto.

Foto: portuguesbrasileiro.istockphoto.com

Rollmops

Facilmente encontrado pelos bares da cidade, o Rollmops é uma receita difícil de agradar todos os paladares. Originalmente, ele é composto por um filé de arenque na conserva enrolado em torno de um pedaço de pepino, cebola ou azeitona verde, porém, como esse tipo de peixe é encontrado apenas nas águas do Atlântico Norte, aqui no Brasil ele é feito com sardinha. A própria descrição do prato já assusta quem está à procura de uma refeição, mas quem já provou a tal sardinha com cebola em conserva diz que é uma experiência gastronômica muito diferente e incrivelmente gostosa (ou talvez um pouco azeda).

Foto: Cafehaus Glória / Divulgação

Torta Glória

Criada por um dos estabelecimentos mais tradicionais de Blumenau, o Cafehaus, a Torta Glória é uma das sobremesas mais famosas da região. Não é por menos, levando uma casquinha de bolacha, recheio de creme belga, pedacinhos de morango e cobertura de chocolate derretido, o resultado é incrível. Se você visitar Blumenau, não perca a oportunidade de provar esse doce.